Para a maioria dos candidatos, a carta de apresentação é apenas uma formalidade “aborrecida” que têm que enviar para as empresas ao mesmo tempo que enviam o currículo.

Mas e se puder ser mais que isso? E se puder ser uma forma de quebrar o gelo? O que o torna interessante? O que irá despertar curiosidade sobre si que irá fazer com que o queiram conhecer e a enviar-lhe uma e-mail ou a fazer um telefonema?

Responda a estas perguntas e a hipótese do seu currículo ser lido irá aumentar:

“Porquê eu?”

Conseguir que o recrutador se interesse em si é muito mais importante do que apenas mencionar o seu nome e a que posição se candidata. Ainda assim, esta é a maneira mais comum de começar uma carta de apresentação.

Substitua esta introdução genérica por uma história sua que faça ligação com a vaga a que se candidata.

“Porquê esta vaga?”

Escreva alguns tópicos fortes que destaquem o valor que vê na função a que se candidata.

Tópicos são uma óptima forma de controlar aquilo que é lido primeiro. Qualquer recrutador precisa de garantir que, de facto, tem as competência necessárias para a função.

Então é isso que deve destacar.

“O que vem a seguir?”

Não se esqueça de incluir uma forma de contacto clara. No fim da carta de apresentação comunique as suas expectativas de forma clara. Explique que a carta de apresentação é uma introdução às suas competências e experiência. Para além disso, indique em que altura estará disponível e indique de que forma o poderão contactar.

Fonte: Work it Daily e Alerta Emprego